Uma exposição no Museu do Design de Londres reúne os melhores projetos deste ano em diversas categoria.

Entre os premiados está o
o Frac Centre, em Orleans, na França, projetado por Jakob e MacFarlane, concebido como para se integrar à paisagem, e o protótipo de uma escola flutuante, construído para a comunidade de Makoko, na Nigéria. O prédio de madeira segue uma abordagem inovadora, sustentável e barata, atendendo às necessidades da população local, que vive em palafitas sobre a Lagoa de Lagos. Outro vencedor da mesma categoria foi a Pro Chair, de Konstantin Grcic. O design da cadeira não apenas permite a movimentação em todas as direções, como também faz com que seu ocupante se sente sempre na postura correta. 

fonte: MateriaBrasil

A FontanaArte, representada no Brasil pela Light Design+Exporlux, levou para casa város prêmios de design desde que começou o ano.

A delicada luminário de piso Yumi, desenhada por Shigeru Ban, foi galardonada com a medalha de ouro -máxima premiação- no IF Design Awards. Odeon e Yupik, dos estúdios Klass e Form Us With Love, respectivamente, também foram premiadas no mesmo evento. A inovadora arandela Lunaire, de Ferréol Babin, foi nomeada para o prêmio Design of The Year pelo Design Museum.

É o reconhecimento do investimento feito pela tradicional marca em novos designers e novos caminhos.

Geometria iluminada e peças de visual arrebatador pela designer nova-iorquina Bec Brittain.

Luminária Leti by Studio Macura. Porque o design também pode ser divertido.

Foi durante os anos 90 que a Light Design+Exporlux começou a apostar na criação de um design verdadeiramente brasileiro.

Quando era difícil importar e comum imitar produtos fabricado no exterior, a empresa montou um projeto de gestão em parceria com o CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. A iniciativa foi reconhecida e em 2001 a Light Design foi a primeira pequena indústria brasileira a receber o prêmio de Gestão de Design, conferido pela CNI - Confederação Nacional da Indústria disputado por 666 empresas. O projeto foi o embrião do atual Departamento de Design, desde então coordenado por Fred Mamede.

Usar alumínio reciclado para fazer produtos é fácil… em uma fábrica. Mas transformar latas usadas em cadeiras – e na mesma rua em que foram encontradas – é bem mais complicado. É exatamente isso que os engenhosos designers do Studio Swine fizeram em uma recente viagem a São Paulo.

Os designers londrinos Azusa Murakami e Alexander Groves chamam seu projeto de Can City. Ele foi inspirado pelo sistema de reciclagem informal de São Paulo: catadores independentes recolhem alumínio e outros itens em seus carrinhos artesanais. Mais de 80% da coleta de recicláveis na cidade é feita dessa forma informal.

Para criar esta pequena unidade de produção, a equipe do Swine usou apenas ferramentas simples e materiais de segunda mão.

A dupla de designers criou um forno de fundição improvisado, movido a óleo de cozinha obtido em estabelecimentos locais. Uma vez instalada e ligada, a máquina é potente o bastante para derreter latas amassadas. O metal derretido era, então, despejado em moldes de areia, obtida em canteiros de obras próximos. Cada banquinho requer cerca de 60 latinhas.

A coleção de banquinhos tem formato de diferentes itens, como folha de palmeira, base de um cesto ou tijolo vazado. Segundo o Dezeen, os designers queriam criar um sistema para ajudar os catadores a reciclar alumínio, transformando-o em produtos para venda.

É incrível ver este projeto em ação, mas talvez seja difícil imaginar isto em grande escala. No entanto, o forno de fundição continua em São Paulo, onde o projeto continuará com uma nova série de produtos e móveis feitos em uma favela. O projeto foi comissionado pelo Coletivo Amor de Madre, com apoio da Heineken.

A ideia de repensar a forma como tratamos o nosso lixo é algo que o Studio Swine já dominou. Por exemplo, eles criaram a Sea Chair, um banquinho feito de lixo plástico proveniente do oceano. Mas a dupla também se inspira no modernismo tropical brasileiro, base para a SP Collection: uma série de itens feitos em madeira e garrafas.

O Studio Swine tem escritórios em Londres e em São Paulo. Os dois designers vão criar novas coleções na China, onde eles devem morar por seis meses.

fonte: ACTUA Consultoria Ambiental

DIVINUS é uma ideia do estúdio Ciclus, de Tati Guimarães, designer carioca que reside em Barcelona há mais de 10 anos. Você coleciona suas garrafas preferidas, compra as bases de madeira e monta a sua. E não é a única forma criativa que Tati encontrou para reutilizar materiais que normalmente são descartados: há porta-documentos de couro reciclado, brincos feitos a partir de flyers e até uma caixa de vinho que vira abajur. Destaca-se o suporte para pratos quentes BAKUS, uma estrutura de metal que depois é preenchida por rolhas de vinho (também colecionadas por você) e foi escolhido para integrar a coleção de produtos do Museu MOMA de Nova York.

Saiba mais: www.ciclus.com

O coletivo francês Les Cadets é composto por cinco jovens: Anna Leymergie, Violaine d’Harcourt, Hélène Degonzague, Charlotte Arnal e Guillaume Rogat. Todos estudaram design de interiores e de produto, porém em universidades diversas. Apesar de cada um trabalhar em uma direção diferente, muitos pontos em comum os unem: a sua profunda paixão pelo design, para imaginar, conceber e fazer objetos e móveis.

Em um momento no qual muitas coisas tendem ao mais rápido e ao mais barato, esse coletivo busca justamente a direção contrária, promovendo projetos low-tech e poéticos.

fonte: Arkpad

Inspired by the Brazilian tropical modernism of the 1950’s Studio Swine has transformed waste materials sourced from the city of São Paulo into a luxury design collection. São Paulo is known in scrap metal circles as the ‘Aluminium Capital’, collecting and recycling more cans than anywhere else in the world.

The bottle bulbs are a lighting pieces made from beverage bottles that have been heated and re-blown into a eclectic collection of organic forms without the conventional recycling process where the glass is broken down into cullet first. This results in a clearer higher quality glass requiring less energy and retaining some mark of the previous industrially manufactured form. The bulbs are fitted with customised brass fittings and LEDs.

'São Paulo Collection' was made for Coletivo Amor de Madre Gallery.

Canvas  by  andbamnan